Serviços de transportes e fretamentos em Campinas - Fretes e mudanças Vinhedo -SP- (19) 97407-5295

Fretes e mudanças Vinhedo -SP- (19) 97407-5295

Fretes e mudanças Vinhedo e Regiões (19) 97407-5295 WhatsApp Alpha Mill Transportes, trabalhamos com o maior cuidado. Embalamos e forramos a sua mercadoria se for preciso, o nosso serviço é bem barato comparando com a concorrência.

whatsapp 300x88 - Fretes e mudanças Vinhedo -SP- (19) 97407-5295

Curiosidades

A região do planalto paulista era habitada por diversos grupos indígenas, alguns, provenientes do litoral, que buscavam refúgio das guerras e da escravidão movidas pelos colonizadores ibéricos. Outros, como grupos de Tupi-Guaranys e Jês (como os Kaigang e os Kayapó meridionais), moravam na região desde antes da colonização.

Com a chegada de europeus ao continente sul-americano, a região foi percorrida pelas Bandeiras, que ocupavam terras consideradas inexploradas e caçavam índios para trabalho escravo, bem como buscavam recursos naturais como madeiras nobres, ouro e pedras preciosas, durante o século XVII. Para isso, as tribos indígenas foram dizimadas ou expulsas da região. Escravos africanos foram introduzidos para ajudar forçadamente nas Bandeiras ou trabalhar nas recém-criadas lavouras de subsistência que iam se formando no caminho para Goyáz.

No fim do século XIX fazendas cafeicultoras instalam-se na região norte do município de Jundiaí – muitas delas aproveitando antigas fazendas que desde o século XVIII produziam açúcar e aguardente. Todo o trabalho era realizado por escravos negros. Trabalhadores brancos, principalmente imigrantes europeus patrocinados pelo governo e por fazendeiros, ocuparam as vagas deixadas pelos escravos após a abolição.

Intenso comércio entre a região cafeicultora e a capital paulista movimentava tropas de muares pela Estrada Velha de Campinas. Partindo de São Paulo rumo ao interior do Brasil, criaram-se grandes cidades a cada cerca de 50 quilômetros, e entre uma e outra, ás vezes, um ponto de parada temporária.

Entre Jundiaí e Campinas, criou-se naturalmente, em meados de 1620, um pouso de tropeiros e, para usufruto destes, uma pequena plantação de subsistência, uma “rocinha”. Uma das primeiras propriedades instaladas no local tornar-se-ia, mais tarde, a conhecida Fazenda Cachoeira[6], que acabaria por transformar uma senzala em Quilombo, décadas depois da escravidão.

Justamente no vale entre a Fazenda Cachoeira e a Estrada Velha de Campinas, já chamada popularmente de Estrada da Boiada, a Rocinha foi se tornando, a partir de 1840, uma pequena vila onde escravos negros beneficiavam café, que logo passaria a ser vendido para cidades próximas e, posteriormente, a capital paulista. Com a abolição, os ex-escravos negros foram libertados e, sem instrução educacional nem ofertas de trabalho livre, migraram para as Minas Gerais e a capital paulista. Poucos permaneceram na pequena vila que já tinha em sua população a presença de imigrantes portugueses, espanhóis, alemães, franceses, árabes, alguns norte-americanos e principalmente italianos. Rocinha passou à condição de Vila e Distrito de Paz pertencente a Jundiaí em 31 de Outubro de 1908, por lei promulgada pelo então Presidente do Estado de São Paulo, Dr. Albuquerque Lins.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *